Daniela de Carvalho Duarte, Organizadora e Idealizadora

Meu nome é Daniela. Sou brasiliense e estudante de Ciência Política! Trabalho com Assessoria Parlamentar e gosto muito de viajar (mas terei que parar de fazer isso por um bom tempo para poder economizar e começar uma vida independente). Fui a responsável por começar esse projeto.

A ideia do projeto Eu vejo flores em você surgiu em um momento muito difícil da minha vida. Eu estava passando por uma séria crise de estresse e minha melhor amiga estava com ansiedade. Ambas estávamos muito desmotivadas e tristes. Por causa disso, resolvi escrever uma carta falando o quão incrível era a pessoa que eu via, mesmo que ela não conseguisse se ver assim naquele momento. Para isso, usei uma ilustração muito bonita de uma amiga minha e minha máquina de escrever.

Ela gostou muito da carta, é claro. Foi muito sincera e amorosa!

Depois disso, pensei: quão legal seria poder proporcionar essa troca de amor entre outras mulheres? E o projeto já apareceu inteirinho na minha cabeça. Liguei para a minha amiga ilustradora e ela achou o máximo, mas não pôde me ajudar por falta de tempo. Apesar disso, me colocou em contato com outras ilustradoras e eu consegui juntar uma equipe bem rápido.

Em suma, o projeto tem tudo a ver comigo e com as situações pelas quais passei nesse 2014 tão sofrido… E eu fiquei muito feliz de ver que minha ideia tocou outras mulheres também.

Militando no feminismo, eu aprendi que a aproximação entre mulheres pode mudar muito a vida delas. É muito importante ter pessoas que nos entendem e em quem confiamos, e isso causa um grande impacto no nosso dia-a-dia, especialmente quando estamos passando por problemas. As mulheres que eu conheci se tornaram exemplo de força, de inteligência, de luta e de beleza – uma beleza de todas as cores, tamanhos e jeitos.

Apesar de ter conhecido muitas mulheres admiráveis, a mulher que eu mais admiro é a minha mãe, que se chama Ana Nery. Ela lutou contra a ditadura quando ainda muito jovem e precisou ficar foragida enquanto estava grávida. Ela é uma mulher muito forte, e sempre sabe me dar bons conselhos sobre como lidar com as pessoas. Apesar de discordarmos em algumas coisas e brigarmos muito (por ambas termos gênio forte), a luta dela me inspira a ser uma pessoa que busca fazer alguma diferença no mundo.